Jornal Gazeta Regional

COBERTURA VACINAL NO BRASIL DESPENCA

COBERTURA VACINAL NO BRASIL DESPENCA

Imagem de capa
Internet
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

                            

                                                       COBERTURA VACINAL NO BRASIL DESPENCA

                            Todo mundo já ouviu falar que o Brasil era exemplo de vacinação.  ERA.  Pois agora vem a notícia da taxa de cobertura vacinal despenca.  Pior ainda,  o fato dá espaço para brecha para surtos.  A cobertura já vinha despencando no país.  Com  a pandemia pelo COVID-19 aprofundou em 2020. 

                           A realidade brasileira vem na forma de um estudo feito por ninguém menos que o IEPS (Instituto de Estudo para Políticas de Saúde), com base em dados do Ministério da Saúde, atualizados até o dia 4 de abril.  Menos da metade dos municípios brasileiros atingiu a metade dos municípios brasileiros atingiu a meta estabelecida pelo PNI (Plano Nacional de Imunizações). 

                           Com exceção da pentavalente  (contra difteria, tétano,  coqueluche,  hepatite b,  e a bactéria Haemophilus influenzae tipo B),  todas as outras mostraram quedas preocupantes de cobertura. E se esse panorama não for mudado,  a situação vai entrar num estágio PREOCUPANTE, quando a situação voltar ao chamado NOVO NORMAL.  

                            O exemplo disso é o retorno do sarampo em 2018.  Em 2020 teve ocorrência da doença em mais de 20 estados brasileiros.  E as razões disso tudo ocorrer se deve a uma série de motivos.  Desde governamental,  como da pandemia e até do comportamento do povo brasileiro. 

                            Em 2020,  a situação se agravou em decorrência do distanciamento social.  O medo de pegar o coronavírus foi determinante para os pais postergarem a ida de seus filhos para tomarem as vacinas. Uma parcela significa deixaram, por problemas socio-econômicos deixaram de acompanhar os filhos aos pediatras. 

                            Finalmente,  pode-se apontar a péssima qualidade da assistência primária à Saúde.  Isso quando se tem grupos de Assistência Familiar nos postos de Saúde.  Isso é Brasil. 

 

 

  • COMPARTILHE

COBERTURA VACINAL NO BRASIL DESPENCA

06/06/2021 12:58


                            

                                                       COBERTURA VACINAL NO BRASIL DESPENCA

                            Todo mundo já ouviu falar que o Brasil era exemplo de vacinação.  ERA.  Pois agora vem a notícia da taxa de cobertura vacinal despenca.  Pior ainda,  o fato dá espaço para brecha para surtos.  A cobertura já vinha despencando no país.  Com  a pandemia pelo COVID-19 aprofundou em 2020. 

                           A realidade brasileira vem na forma de um estudo feito por ninguém menos que o IEPS (Instituto de Estudo para Políticas de Saúde), com base em dados do Ministério da Saúde, atualizados até o dia 4 de abril.  Menos da metade dos municípios brasileiros atingiu a metade dos municípios brasileiros atingiu a meta estabelecida pelo PNI (Plano Nacional de Imunizações). 

                           Com exceção da pentavalente  (contra difteria, tétano,  coqueluche,  hepatite b,  e a bactéria Haemophilus influenzae tipo B),  todas as outras mostraram quedas preocupantes de cobertura. E se esse panorama não for mudado,  a situação vai entrar num estágio PREOCUPANTE, quando a situação voltar ao chamado NOVO NORMAL.  

                            O exemplo disso é o retorno do sarampo em 2018.  Em 2020 teve ocorrência da doença em mais de 20 estados brasileiros.  E as razões disso tudo ocorrer se deve a uma série de motivos.  Desde governamental,  como da pandemia e até do comportamento do povo brasileiro. 

                            Em 2020,  a situação se agravou em decorrência do distanciamento social.  O medo de pegar o coronavírus foi determinante para os pais postergarem a ida de seus filhos para tomarem as vacinas. Uma parcela significa deixaram, por problemas socio-econômicos deixaram de acompanhar os filhos aos pediatras. 

                            Finalmente,  pode-se apontar a péssima qualidade da assistência primária à Saúde.  Isso quando se tem grupos de Assistência Familiar nos postos de Saúde.  Isso é Brasil. 

 

 

Publicidade

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível .'.